terça-feira, 18 de junho de 2013

Amanhã é sempre longe demais.


Foi uma noite sem sono
Entre saliva e suor
Com um travo de abandono
E gosto a outro sabor

Dizes-me até amanhã
que tem de ser, que te vais
porque o amanhã, sabes bem
é sempre longe demais

Acendo mais um cigarro
Invento mil ideais
Só que amanhã sei-o bem
É sempre longe demais 
Contigo é diferente. És arrogante, manipulador, orgulhoso e fraco. Apetece-me abanar-te até ficares vazio, sem argumentos. Quero-te só para mim e em noites como esta sinto que posso ir até ao fim do mundo. 

quarta-feira, 12 de junho de 2013


Há homens assim que precisam pouco das mulheres. Ou pelo menos vivem convencidos disso.

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Isso vai dar bum.


Ai eu jurei
Que nunca mais me iria entregar
Disse que jamais vou me apaixonar
Pois tu sabes mesmo é me magoar
Ao em vez de me amar
Não faz assim
Tira as mãos de Mim
Essa brincadeira Chegou ao fim
Para de me beijar
É que não consigo me controlar
Tu és tentação
Minha perdição
O teu jeito me diz
Vaiiiii.. eh eh eh

Isso vai dar BUM no quarto
Na sala ou sofa
Isso vai dar BUM na varanda
Quintal ou divã
Isso vai dar BUM No banho
Na praia oh babyy
Isso vai dar BUM, BUM BUM

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Tento resistir.


Meu deus como pode ser tão bom esse mal que tu me fazes
Que me obriga a ir a jogo sem figuras nem ases
Sabendo que não vou ganhar como nunca ganhei
Sabendo que não consigo parar como nunca parei
Como podem magras mãos ficar tão grandes assim
Que as gentes esgravatar cabem dentro de mim
Só pode ser verdade o que me conta a poesia
Eu gosto de gostar e sinto a tua falta todo o dia
Que posso eu fazer se me fazes tão bem/mal
Desafiando as leis da gravidade, a minha moral
O prazer da tua carne tornou-se essencial
Para a minha sanidade, física e mental

Eu sei e tu sabes que não podemos ficar juntos
Não passa de uma atracção tentemos não ir mais fundo
Ambos sabemos que não dá para termos uma relação
Temos de nos afastar e esquecer esta paixão

terça-feira, 28 de maio de 2013

Toda a obra de arte é filha do seu tempo e, muitas vezes a mãe dos nossos sentimentos

Kandinsky.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Bom dia.


But you only need the light when it’s burning low
Only miss the sun when it’s starts to snow
Only know your love her when you’ve let her go
Only know you’ve been high when you’re feeling low
Only hate the road when you’re missin’ home
Only know your love her when you’ve let her go

sábado, 11 de maio de 2013

Que seja agora.


Tem de acontecer, porque tem de ser
E o que tem de ser tem muita força
E sei que vai ser, porque tem de ser
Se é pra acontecer, pois que seja agora

domingo, 5 de maio de 2013

Não digo que sou mais que tu, mas mereço mais que tu.


Não cumpri certas promessas por isso tu amuas 

és um bicho de sete cabeças e eu de duas 
se eu insisto tu recuas então explode agora 
aproveita e manda as mensagens a quem te fode agora


segunda-feira, 29 de abril de 2013

Pôr os phones nos ouvidos. Sentar-me naquelas escadas e lembrar-me de ti. Esperar simplesmente que apareças como se eu não tivesse a espera.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Os teus braços, desde o primeiro dia, foram sempre os teus braços. Nunca te soube explicar o que senti naquela noite de verão ao teu lado, perdida em cada sinal do teu corpo. Perderia horas a contá-los, um a um. 
Acho que depois de tudo, é só uma grande amizade e alguma vontade de passar uma noite inteira contigo, sem limites, sem horas, sem ninguém.
O nosso último momento a dois, foi fumar uma ganza no sofá.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Queria ter ido para a praia apanhar sol e escaldar a cara e os ombros. Sentir o sal a estalar na pele e acabar a tarde a beber caipirinhas. Mas a perspectiva de te voltar a ver puxou-me para um café sem piada nenhuma com cerveja cara. Não te vi, não sei se é um sinal ou se é apenas falta de sorte. 

Eu falei...


Sempre que você achar que alguma coisa pode dar merda pare! Muitas merdas da humanidade poderiam ter sido evitadas, comigo irmãos! EU FALEI QUI ISSO IA DAR MERDA

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Vambora.



Entre por essa porta agora
E diga que me adora
Você tem meia hora
Prá mudar a minha vida
Vem, vambora
Que o que você demora
É o que o tempo leva...

Ainda tem o seu perfume
Pela casa
Ainda tem você na sala
Porque meu coração dispara?
Quando tem o seu cheiro
Dentro de um livro
Dentro da noite veloz...

Pêssegos com chantilly




sábado, 13 de abril de 2013

Tenho saudades do que nós éramos. Depois daquela noite tudo mudou, os amigos pura e simplesmente não se beijam. Agora um abraço vai parecer sempre alguma coisa mais. Mas não, acredita em mim. Tenho saudades de ser tua amiga, nem que fosse a amiga que estava perdidamente apaixonada por ti. Não passava daí e davas-me muito mais. Neste caso o problema é somente teu que não consegues dar nada a ninguém quando não tens que sobre.

quarta-feira, 10 de abril de 2013



não me esqueço do que disseste do esforço que não fizeste 
não mereço o que tu fizeste não esqueceste porque não quiseste
dei o beneficio da duvida para uma alegria de momento 
via-te como a única aberta para os meus dias cinzentos 

se o mundo acabasse ficávamos bem tchill num hotel 
eu tu e um milka oreo a fazer amor até subir ao céu
mas não passou duma ilusão que não se tarda em revelar
algo que mal começou e só se fala em acabar 

terça-feira, 9 de abril de 2013

E foi só mais uma vez, e desta juro que é a última. Nunca mais quero sentir aquele nó no estômago e as lágrimas a escorrerem devagarinho pela cara. Aqueles primeiros segundos onde todas as memórias se transformam num fundo preto matam-me.
Esta "coisa" que nós tínhamos baseou-se sempre na tua dor, nas tuas mágoas e eu esqueci-me que era eu que não podia voltar a passar pelo mesmo.
A culpa desta vez foi minha, que não aprendo a não construir os meus ideais em cima de alguém.

domingo, 7 de abril de 2013

No love.


Sonha connosco e como seria bom
Mas pra nós é tarde o nosso tempo acabou
Eu não te posso levar eu não sei onde vou
Meu barco furou i go with the flow
Eu amei-te miúda como ninguém te amou

Nem tudo o que brilha tem valor
Por vezes olhas de perto, desapontas-te com o que vês
E a história recomeça com o era uma vez.
Talvez seja altura de recuar, de não pensar, de acreditar que não existe e de acordar sem contar com nada. Os nervos, a ansiedade, o friozinho na barriga, as tais borboletas. 
Isto não é uma questão de tempo, aliás a cada diz que passa é mais um passo para um lugar que eu não quero voltar a escorregar. Vivo o que tu me dás agarrada ao medo de voltar a sofrer, quase como se tivesse  destinada. E é como sempre me disseram, o medo atrai coisas más.

terça-feira, 2 de abril de 2013

Numa próxima vida caso contigo, ou então tiro uns meses desta. Casamos, vamos de lua de mel e depois cada um vai para seu lado.

Tenho muitas saudades disto

Rita. Duarte. Leonor. Bruno. Filipa.

terça-feira, 26 de março de 2013

Eu e tu na melhor suite do hotel,champanhe e moscatel o teu cheiro na minha pele

Eu não te suporto. Metes-me nojo. Tão sincero, tão transparente, tão magoado. Tantas dúvidas e tanta distância. Falaste-me de tempo, de dor, de sexo e de espaço, foram essas as tuas condições, e eu idiota aceitei. Fecho os olhos e já estás com outra.

sábado, 23 de março de 2013

CCB.



Acredito que este sitio têm a capacidade de mudar a vida de uma pessoa.

Sextas-feiras á chuva.

 Duarte.

 Bruno.

 Ana.

 Rita.

Chico.
Sabes o que é que em ti me traz saudades? A certeza de que me ias mandar uma mensagem a meio da aula de desenho, ou há hora de almoço.
Esses teus medos. Não estou desiludida, apesar de tudo, porque também nunca me iludiste. Estou triste por não ter arranjado nenhuma forma inteligente de lidar contigo.

Nas tintas para aqueles que não percebem nada

Se nos picam, não sangramos nós? Se nos fazem cócegas, não rimos? Se nos envenenam, não morremos? E se nos enganam, não nos vingaremos?

William Shakespeare, O Mercador de Veneza

terça-feira, 19 de março de 2013

Auto de fé.


Essa moral que não praticas mas edificas,
há-de fazer contas contigo pelas vidas que complicas
Pára para pensar no verdadeiro crime,
quando matas à nascença um sentimento tão sublime
Como a semente de paixão que tanto negas,
se não praticas o que pregas, de que valem essas regras?
Piadas de mau gosto para os teus colegas,
segue o coração, não a razão que não sossegas