quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

terça-feira, 29 de janeiro de 2013





Está tudo igual, apesar de estar tudo diferente. E isso nota-se em simples coisas que eu nem sei dizer o que são. A distância afasta as pessoas e quem não se importa esquece. A nossa história é tão bonita como triste e eu não tenho coragem para reclamar seja o que for porque sei que sentes que não te dou nada do que é importante para ti. E eu tentei, acreditei e desisti do que eu mais queria  para criar uma amizade. E agora? Tudo isto deslizou muito devagarinho sem eu dar conta e eu fiquei vazia com saudades nossas, saudades que me apertam o estômago por não poder fazer rigorosamente nada.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

É sempre sem explicação


Apesar de tudo marcaste-me de uma maneira boa ou má. Acho que isso só o tempo o dirá. Nunca hei de perceber o que fui para ti, tal como não consigo perceber o que foste para mim. É sempre porque sim, numa atitude ao acaso, com consequências que não percebo bem o que são. Acho que são momentos que existem para não serem pensados. Mas agora vais te embora, seguir com a tua vida e nunca mais te vou pôr os olhos em cima, e isso faz-me pensar se não errei na forma como lidei contigo.

Amanhã bora beber uma jola? Gostava de falar contigo. Pago eu lol

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

É nestas coisas que se pensam quando se gosta de alguém. Pensa-se em beijos inesperados, em mãos fortes e gargalhadas que parecem sussurros. Eu penso, e lembro-me de quando me sentei em cima de ti e me disseste para eu não ter medo porque estava linda assim. Nesse dia deixaste os teus amigos e levaste-me para tua casa. Nesse dia acreditei que as coisas iam mudar. E é nesse dia que eu penso, quando percebo que ainda gosto de ti.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Há mulheres que quando amam um homem não têm coragem de o dizer por insegurança, é há outras que não o dizem porque nem lhes passa pela cabeça que possam amar alguém.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Vou dormir, o telemóvel não toca. Boa noite.

D.

Sem compromisso, foi o que ele sempre quis. E descomprometeu-se para sempre, da nossa amizade e do meu coração partido. 
Depois deste tempo todo não me perdo-o a mim por ter tido tanto cuidado em preservar o que me pediste.

E é só quando te vejo que tenho saudades tuas, de quando me abraçavas e dizias que não havia razão para chorar. 

The September issue


Anna Wintour


What it takes to get a major fashion magazine issue ready..

Saudades disto










Alvor.

Fotografias da Ana (deer-ree-shee.blogspot.com)

Tomorrow


Louboutin.

Terreiro do Paço.



paz.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Nós os dois, vivemos as pessoas de uma forma tão diferente.

Opposites attract


Who'd a thought we could be lovers
She makes the bed
And he steals the covers
She likes it neat
And he makes a mess
I take it easy
Baby I get obsessed
She's got the money
And he's always broke
I don't like cigarettes
And I like to smoke
Things in common
There just ain't a one
But when we get together
We have nothin' but fun
Vamos dançar na areia.

Vício de ti


Amigos como sempre 
Dúvidas daqui pra frente
sobre os seus propósitos
é difícil não questionar.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Cultura Visual


Desde sempre o ser humano se une, no sentido natural de construir comunidades e encontrar o equilíbrio.O que atrai a espécie seria provavelmente o percurso natural da evolução, predispostos a continuá-la naturalmente. Isto sem dúvida que é a base de tudo, é uma necessidade e uma ideia naturalmente instituída. 
Mas a criação e evolução da sociedade e da consciência humana trouxe com ela os problemas com que todos nós nos deparamos. O limbo entre a dor e o prazer, o ego, a culpa e uma procura quase inconsciente por perceber o que nos move.
O ser humano pensa e sente, é o lado racional e emocional. O homem sente os seus instintos e pensa sobre eles.  Mas é a integração entre o lado racional e emocional que nos leva a ir mais além.

Pensar é geralmente considerado como o oposto de sentir. A pessoa reflexiva é contrastada com a impulsiva, a que age segundo os seus sentimentos sem pensar. "Pára para pensar" é a ordem da razão. 
Parecerá contradição afirmar que o que se sente encontra-se intimamente ligado ao que se pensa. Entretanto ao examinarmos o processo dos nossos pensamentos surpreender-nos-emos ao constatar que eles reportam ao sentimentos 

É isso que nos estimula, que nos faz criar laços e relações, e a partir disso expressar emoções e sentimentos. Com isso vêm o prazer e a dor que provocam, e a reacção que isso vai ter no seu comportamento. 
Aproxima mo-nos e afasta-mo nos das pessoas criando relações e atraí-mo nos por quem entra na nossa vida ou por quem simplesmente vimos uma vez na rua, personificando diferentes papeis sociais, engajados em histórias e experiências. Confronta mo nos conosco mesmos e com os outros. Com o que procuramos e o que esperamos encontrar. Isso é alguma coisa tão natural e inconsciente como a questão anterior da atracção, aliás ambas estão brutalmente ligadas.
 Talvez nos projectemos nos outros para descobrir alguma coisa que não vimos em nós e por vezes vivemos a desilusão, que vêem das expectativas que depositamos nas relações. Com isso vêm a questão do prazer e a dor que provocam, e a reacção que isso vai ter no seu comportamento. 
A paixão surge aqui como um misto de instinto, atracção e projecção. Trata-se de uma força avassaladora que cria em nós uma motivação por vezes excessiva em direcção aquela pessoa que sentimos precisar.
 Acabamos por criar uma dependência por vezes obsessiva e um ciclo vicioso baseado numa suposta necessidade de aceitação do outro para conosco. Tudo isto com origem em medos, traumas e problemas que tentamos fugir e procurar a solução numa tal paixão, onde o objectivo é encontrar não só um prazer físico mas também uma tranquilidade assente num ideal de felicidade.
Mas esta força não é eterna. A questão que se levanta aqui neste momento é no que é que se pode transformar. Há quem diga amor ou amizade, ou também, já conta a História em grandes conflitos ou mesmo tragédias.
O corpo acompanha estas motivações e daí surge o nosso lado sexual, sendo que a paixão têm um lado carnal, não deixando de parte ser uma coisa uma característica natural do ser humano e até mais aprofundado uma característica animal.
 É um conjunto de sistemas interligados entre si que permite esta fantástica possibilidade que temos de nos relacionarmos uns com os outros.
Mas e o conceito de amor?  Hoje fala-se e comenta-se abusadoramente sobre algo que deveras nos move e nos une. Devemos considerar a paixão diferente do amor? Obviamente que sim. A paixão responde a instintos e a uma parte mais inconsciente do nosso ser. O amor por outro lado é um sentimento puro e livre onde num ideal de perfeição não há sofrimento nem apego, não existe pura e simplesmente um necessidade de controle. Acredito que podemos amar os outros, mas primeiro temos que ter uma tranquilidade maior que tudo isso conosco próprios.

"O amor não dá mais de si próprio e não retira nada que não seja a si mesmo.
O amor não possui nem pode ser possuído, pois o amor é suficiente por si só."

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Zuki.

Tinha saudades tuas, do teu sotaque, do teu sorriso de puto, das tuas histórias e da tua forma de ver a vida.
Mudaste-me de certa a maneira e eu vou te sempre recordar como uma história feliz.
Gosto de momentos contigo como o de hoje.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Ana.


PARANÓIA COM O MEDO
" O apego é o preço do afecto. Há momentos em que todos sonhamos com outra espécie de amor livre e leve, mas todos sabemos que não são essas as premissas do verdadeiro amor. Somos todos prisioneiros de um sonho ou de uma realidade, no fundo nunca somos livres. "

domingo, 6 de janeiro de 2013

sábado, 5 de janeiro de 2013

Só de mim


pudesse eu ter lido o futuro.

Isto de gostar de alguém é complicado. Os dias têm outro sabor e ás vezes as palavras não chegam.

Não precisa mudar



Não precisa mudar
Vou me adaptar ao seu jeito
Seus costumes, seus defeitos
Seu ciúme, suas caras
Pra quê mudá-las?
Não precisa mudar
Vou saber fazer o seu jogo
Saber tudo do seu gosto
Sem deixar nenhuma mágoa
Sem cobrar nada

Se eu sei que no final fica tudo bem
A gente se ajeita numa cama pequena
Te faço um poema, te cubro de amor 



Férias.





Cre' voltar


opaaaa

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013